Anúncios

A fórmula mágica para a amizade — Adolescente Demais

Já tive algumas maneiras de definir a fórmula mágica para a amizade. Acreditei cegamente em algumas delas. Fui loucamente contra outras. Já tomei como melhor aquela amizade do textão no facebook. A que tem fotos exclusivas com legendas impactantes. Ou mesmo aquela em que, se os amigos não se falam por alguns dias, o clima […]

via A fórmula mágica para a amizade — Adolescente Demais

Anúncios

A VAQUINHA

A VAQUINHA

Um Mestre da sabedoria passeava por uma floresta com seu fiel discípulo quando avistou ao longe um sitio de aparência pobre e resolveu fazer uma breve visita. Durante o percurso ele falou ao aprendiz sobre a importância das visitas e as oportunidades de aprendizado que temos, também com as pessoas que mal conhecemos.
Chegando, constatou a pobreza do lugar, sem calçamento, casa de madeira, os moradores, um casal e três filhos, vestidos com roupas rasgadas e sujas.
Então se aproximou do senhor, aparentemente o pai daquela família, e perguntou:
-Neste lugar não há sinais de pontos de comércio e de trabalho. Como o senhor e a sua família sobrevivem aqui?
E o senhor calmamente respondeu:
-Meu amigo, temos uma vaquinha que nos da vários litros de leite todos os dias. Uma parte desse produto nós vendemos ou trocamos na cidade vizinha por outros gêneros de alimentos e a outra nos produzimos queijo, coalhada, etc. para o nosso consumo e assim vamos sobrevivendo.
O sábio agradeceu a informação, contemplou o lugar por uns momentos, depois se despediu e foi embora. No meio do caminho, voltou ao seu fiel discípulo e ordenou:
-Aprendiz, pegue a vaquinha, leve-a ao precipício ali na frente e empurre-a, jogue-a lá em baixo.
O jovem arregalou os olhos, espantado e questionou o mestre sobre o fato da vaquinha ser o único meio de sobrevivência daquela família, mas, como percebeu o silêncio absoluto do seu mestre, foi cumprir a ordem. Assim empurrou a vaquinha morro abaixo e a viu morrer.
Aquela cena ficou marcada na memória daquele jovem durante alguns anos e um belo dia ele resolveu largar tudo o que havia aprendido e voltar naquele mesmo lugar e contar tudo aquela família, pedir perdão e ajuda-los. Assim fez, e quando se aproximava do local avistou um sitio muito bonito, com árvores floridas, todo murado, com carro na garagem e algumas crianças brincando no jardim.
Ficou triste e desesperado imaginando que aquela humilde família tivera que vender o sitio para sobreviver.
Apertou o passo e chegando lá, logo foi recebido por um caseiro muito simpático e perguntou sobre a família que ali morava ha uns quatro anos e o caseiro respondeu:
-Continuam morando aqui.
Espantado ele entrou correndo na casa e viu que era mesmo a família que visitara antes com o mestre. Elogiou o local e perguntou ao senhor (o dono da vaquinha) :
-Como o senhor melhorou este sitio e esta muito bem de vida?
E o senhor entusiasmado, respondeu:
-Nós tínhamos uma vaquinha que caiu no precipício e morreu. Dai em diante tivemos que fazer outras coisas e desenvolver habilidades, que nem sabíamos que tínhamos. Assim alcançamos o sucesso que seus olhos vislumbram agora.

PONTO DE REFLEXÃO

Todos nós temos uma vaquinha que nos da alguma coisa básica para sobrevivência e uma convivência com a rotina. Descubra qual é a sua.e aproveite esse momento para empurrar sua “vaquinha” morro abaixo.

O RATO E A RATOEIRA

O RATO E A RATOEIRA

Um rato vagabundo chegou em uma casa olhando pelo buraco da parede vê um homem entregando um pacote e uma mulher abrindo-o, rapidamente pensou: hummm… que tipo de comida poderá ter alí?
E imaginou um saboroso queijo. Estava com água na boca em pensar que era um dos seus preferidos, ficou horrorizado, quando descobriu que era uma ratoeira
Foi para o pátio da casa para advertir a todos:
“HÁ UMA RATOEIRA NA CASA, UMA RATOEIRA! ”
A galinha que estava buscando suas minhocas na terra, cacarejou e disse:
“Desculpe-me Sr. rato entendo que seja um grande problema para você, mas a mim não prejudica em nada, nem me incomoda!” e o ratão se entristeceu muito.
O rato seguiu correndo buscando ajuda,chegou até o cordeiro e disse:
” Há uma ratoeira na casa!”
“Desculpe-me Sr. Rato, não vejo nada que possa fazer, eu como capim.fique tranquilo, você estará em minhas orações!”
O rato foi até onde estavam as vacas,e disseram: “o que você falou, uma ratoeira? Por acaso nós estamos em perigo? Creio que não então o rato voltou para a casa,cabisbaixo e abatido, para encarar sozinho a ratoeira………
Naquela mesma noite se escutou um ruido, como de uma ratoeira agarrando sua vítima. A mulher correu para ver o que havia na ratoeira.
Mas na escuridão não viu que a ratoeira tinha agarrado o rabo de uma cobra venenosa.a cobra picou a mulher. O marido a levou correndo para o hospital. A mulher estava com muita febre.
Nada melhor que um bom caldo de galinha. Então o homem pegou uma faca e foi buscar o principal ingrediente: a galinha.
Como o estado da mulher piorava, os amigos e vizinhos foram vê-la e para alimenta-los, teve que matar o cordeiro.
A mulher não resistiu e acabou morrendo.
Muitas pessoas foram ao funeral.
O pobre homem muito triste e agradecido pela solidariedade, então resolveu matar as vacas, para dar de comer a todos.
Da próxima vez em que você escutar que alguém está enfrentando um problema, e acredita que a ti não afeta, pense duas vezes, em todas as casas podem precisar de uma ratoeira, e todos os integrantes correm perigo!
“Ajuda a teu próximo” gálatas 5: 14
“Pois toda a lei se cumpre em uma só palavra a saber: amarás a teu próximo como a ti mesmo.”
Nota: se deram conta de quem se salvou?
Numa comunidade, como em um grupo de amigos e na própria família, quando um integrante está com problemas, este problema é de todos
E juntos devem resolvê-lo ou ver em que podem ajudar para aliviar a carga do problema.

AMAR NÃO É SÓ DAR OU RECEBER,
É COMPARTILHAR E SER FELIZ.

O QUE VOCÊ FARIA?

O QUE VOCÊ FARIA?


A questão a seguir foi proposta num teste de admissão para uma grande
empresa.
Leia, pense um pouco e dê sua resposta. Depois, confira os resultados…

Você está dirigindo seu carro numa noite de tempestade, passando por uma área razoavelmente deserta da cidade. Se aproxima  de um ponto de ônibus e vê 3 pessoas na chuva, aguardando transporte:

  1. Uma senhora de idade, que treme e parece estar passando muito mal,

  2. Um médico que já salvou sua vida na mesa de operação, e

  3. O homem/a mulher dos seus sonhos.

Você reduz a velocidade e olha apreensivo para o banco do carona.
No seu carro, só há lugar para mais uma pessoa. Não há outra saída:
você precisa escolher a qual daquelas 3 pessoas você vai dar carona.
E então? Quem você escolheria? Justifique sua escolha.

Bom, veja agora o que a maioria das pessoas responderam:
Você poderia escolher a senhora de idade; afinal, ela está passando mal e dar carona a ela pode significar salvar uma vida.
Mas, falando em salvar vidas, você também poderia perfeitamente escolher o médico, pois ele já salvou a sua vida. Essa é a oportunidade perfeita para mostrar sua gratidão.
Entretanto, você poderia expressar essa gratidão pelo médico em outra oportunidade no futuro, mas talvez você jamais possa ter novamente uma
oportunidade como essa com a pessoa com quem você sempre sonhou e que
espera ali, desprotegida e encharcada, naquele ponto de ônibus.

O candidato que foi selecionado para a vaga (dentre os 200 concorrentes) deu uma resposta diferente dessas três. Quer saber o que ele disse? Eis a resposta dele:
“Eu daria a chave do carro para o médico; deixaria que ele levasse a senhora doente para o hospital e ficaria ali, esperando o ônibus com a mulher dos meus sonhos!”

Mensagem final: Nâo pense como a maioria! Pense além!!!

 

%d blogueiros gostam disto: